Me pergunto onde você está agora, nesse momento
Como se isso realmente importasse
Se eu pudesse te mostrar aqueles pequenos detalhes do passado
Que o fogo fez o favor de levar embora
Mas que ainda estão guardados comigo;
Presto atenção aos momentos, movimentos e detalhes
E então mais uma vez essas questões incessantes voltam a me tocar
Entenderia decerto, faria-me maior caso as vírgulas fizessem obra nesse cenário
Mas nada acontece muito além de pausas para tomarmos novamente o fôlego
(eu te desenhei de uniforme)
Mas creio que tudo isso vale mesmo a pena.

Você se lembra daquela janela
Lembra-se da linha de passarinhos que formavam um tesouro escondido?
Te recorda daquela sala pequena onde o luar era tão nítido
As ondas tão presentes,
As sementes tão doces,
As xícaras tão adoráveis,
Os móveis tão lindos!
Por algum motivo eu sentia tanta saudade de você
(romantizando detalhes que na verdade nem estavam lá)
Sentia como se alguma coisa estivesse mesmo errada,
Frio, calafrios e calor ao mesmo tempo
Mas aconteceu que era apenas eu que sabotava meu próprio oxigênio
Trocava por doces venenos que nada faziam além de encurtar meu próprio “tempo”.
E saía a procura de um algo que não estava nem na lista
Andava por aí na chuva,
Deitada em campos de flores
Olhando para os lados, para cima
Frequentando dunas, areias, castelos em pedaços
Até em cemitério com música
… em paz enfim.

Fora obrigado a exorcisar aquele ser letárgico e filosófico
Que estava vagando e fazendo fumaça do quarto para a
Linda salinha com um luar incrível

E então aquele silêncio que fazía-nos paranóicos com as cortinas abertas?
E todos os passos perto da janela
E os cabritinhos que nunca vieram
E a cadeirinha pequena perto da porta de madeira
Ainda consigo ouvir aquele vento que sussurava lá de cima
Como se tivesse mesmo um alguém que nos chamava.
Quanta coragem e ousadia menina!
E olha que ver você estava no topo da minha lista
Mesmo todos os sinais terem apontado para o leste, oeste
Qualquer direção que não fosse meu coração.
“Ah, eu não. Não eu.”
(Continuava te desenhando de uniforme)

Queria mesmo dar um sentido a tudo aquilo
Mas a verdade é que não temos nada além de uma montanha de tempo livre
Tranforma-te em louco ou lunático
Bandido ou Justiceiro
É contigo, cara.

E então, eu me pergunto onde você está
Como se isso realmente importasse ou fizesse sentido
Mas meu amor, nunca ninguém faz ou fez

Quero saber sobre as luzes que entram em saem
Talvez você, em algum lugar possa me contar sobre elas
Responderia hoje em dia, de uma forma menos desligada

Então meu bem, como vai ser
Com cores fluorescentes e chamas escandescentes
Ou você ainda prefere se queimar aos poucos?

 

lit

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s